Pele, células, reflexos autônomos e Ryodoraku

1)Pele é sensor e front de sensação

A pele exerce as funções de proteção, excreção, regulação de temperatura, e acumulação de nutrientes na forma de gordura subcutânea, etc. O adiposo subcutâneo deposita os nutrientes. A pele é o espelho dos órgãos internos.  Na medicina oriental, as informações emitidas pela pele são importantíssimas.

Composição de epiderme: camada basal, camada espinhosa, camada luminosa,e camada córnea.

A epiderme é composta de 4 camadas. A camada mais superficial é denominada de camada (estrato) córnea.Essa camada córnea contem os queratinócitos que fazem o papel de receptores onde processam informações e por isso denominada de terceiro cérebro depois do segundo que são os intestinos). A camada córnea tem a maior área de contato com o pólo elétrico e que parece ter a intima ligação com o fenômeno Ryodoraku.(Canais eletropermeáveis).

Por outro lado, como a transpiração ou a ação pilomotora não provocam as reações tipicamente de Ryodoraku,.podemos presumir que o fenômeno Ryodoraku e/ou pontos Ryodo reativos resultam da resistência elétrica da camada córnea.

Representação da pele humana

2)Células e membranas celulares

Teoria de Bernstein(1902-1912)refere-se a Bomba de íons de Sódio e Potássio.

Nas células normais, o exterior da membrana fica positivo e o interior negativo. Ou seja, há polarização. Teoria de Bernstein diz respeito a permeabilidade seletiva de íon.

Quando a célula ficar excitada, provoca a despolarização e acaba com a permeabilidade seletiva de íon de membrana, fazendo com que os íons normalmente barrados ultrapassem a membrana. Considera-se que o nervo símpatico tem a relacao íntima com esse fenômeno de despolarização.

Polarização

Polarização

Despolarização

Despolarização

Por exemplo, se colocarmos eletrodos em vários pontos da pele humana e estimularmos alguns pontos, haverá alteração de resistência dérmica do corpo todo. Como esta alteração ocorre instantaneamente, supomos  que ela deva acontecer via nervos.

Estímulos cutâneos sao  aferentes via nervos sensitivos. Portanto não deve afetar diretamente a resistência dérmica.

Os nervos motores, como são distribuídos nos músculos, não devem ter relacão com a eletropermeabilidade cutânea.

Supomos, portanto, que esta alteracão deva ser atribuída a reacão de nervos autônomos.

Nas células normais, ocorre a polarização com o exterior da membrana positivo e o interior negativo. Teoria de Bernstein diz respeito a permeabilidade seletiva de íon.

Quando a célula ficar excitada, provoca a despolarização e acaba com a permeabilidade seletiva de íon de membrana, fazendo com que os íons normalmente barrados ultrapassem a membrana. Considera-se que o nervo simpático tem a relação íntima com esse fenômeno de despolarização.

3)Terapia Ryodoraku e o reflexo autônomo

Tipos de reflexos autônomos intimamente relacionados com a Terapia Ryodoraku de Regulação de Nervos Autônomos são seguintes:

  • Reflexo sómato-visceral

Nervos somáticos são vias aferentes e os nervos autônomos são vias eferentes.

  • Reflexo víscero-somático

Vias aferentes são nervos viscerais e as eferentes são os nervos somáticos .

  • Reflexo víscero cutâneo

Vias aferentes são nervos viscerais e as eferentes são nervos simpáticos.

Há inputs aferentes como o input de sensações somáticas e o input de sensações viscerais.

4)Relação entre a resistência dérmica e os nervos simpáticos

Para se pensar em resistência dérmica, é preciso considerar sobre as glândulas sudoríparas, os folículos pilosos e camadas córneas.

a.Glândulas sudoríparas:

A eletropermeabilidade de glândulas sudoríparas aumenta com a excitação do nervo simpático que aumenta a transpiração. Porém, usando o eletrodo úmido, a influência de transpiração sobre a eletropermeabilidade da pele diminui ao mínimo. (Observem o fenômeno em que detectam-se os pontos Ryodo reativos mesmo nos animais e nos labios que não tem glândulas sudoríparas)

b.Folículos pilosos:

A contração do músculo eretor do pêlo manifesta com a excitação do nervo  simpático, e faz com que se abram os folículos pilosos, aumentando a eletrocondutividade da pele.  Porém, a comparação da resistência dérmica do local onde há piloereção com a do lado simétrico revelou pouca diferença. Isto indica que o folículo piloso não influencia muito sobre a resistência dérmica. (não se observa o fenômeno de piloereção ao longo de meridianos ou Ryodoraku)

c. Camadas córneas:

Pode-se considerar que a camada córnea tem a íntima relação com o fenômeno Ryodoraku, pois ela tem a maior área de contato com o eletrodo.  Por outro lado, como a transpiração  ou eriçamento de pelo não provocam as reações com desenhos tipicamente de Ryodoraku,  podemos presumir que o que provocam o fenômeno Ryodoraku ou pontos reativos deve ser a resistência elétrica de camadas córneas e nao os primeiro dois citados(glândulas sudoríparas e folículos pilosos).